DIFERENTES POSSIBILIDADES PARA SE APRECIAR OS CAFÉS BRASILEIROS

IMG_20170712_152729133_optimized

O Brasil tem uma importante relação com o café em sua história e cultura desde o século 18, quando as primeiras mudas da planta chegaram ao país. Apesar dos altos e baixos na produção e exportação dos grãos, o Brasil se mantém como  o maior produtor de café do mundo — somente com o Estado de Minas Gerais, o país já alcança o topo do ranking mundial.

Os amantes da bebida têm um amplo de leque de opções para experimentar as mais diversas variedades dos frutos cultivados em solo nacional, originários de duas plantas: Arábica e Robusta.

No universo cafeeiro, os cafés Arábica são tidos como os melhores, por suas características serem mais delicadas quanto à acidez, corpo e sabor, além de aroma e doçura intensos e menor quantidade de cafeína em relação aos Robusta. Não é à toa que os cafés especiais e gourmet são 100% Arábica! Aliás, um ótimo exercício para se fazer durante a quarentena é saborear uma xícara de cafés Arábica e identificar as principais diferenças entre eles: no tipo Mundo Novo, a bebida é marcante e com aroma suave; já o Bourbon, por ser mais adocicado e com notas de chocolate, é excelente para abrir o apetite. O Catuí e o Acaiá, as bebidas são mais frutadas, enquanto o Laurina é um descafeinado com altíssima qualidade.

De norte a sul do país, as rotas de cafés reúnem fazendas históricas, pousadas, cafeterias, restaurantes, agroindústria, além, é claro, de passeios ao ar livre pelas plantações.

Abaixo, por ordem alfabética, cinco Estados que se destacam no circuito turístico de café no Brasil:

Ceará

ceará_crédito sebrae

O ponto de partida é a Estação Ferroviária do Baturité, com a serra de mesmo nome. Nesse circuito, o turista saboreia o café de sombra, conhece a história local através das plantações e arquiteturas de época, vivencia os processos de moagem e torragem e admira belas paisagens naturais.

Espírito Santo

cafe-cordilheiras-do-caparao--es

Marcas da época colonial e da imigração de portugueses, italianos e árabes são vistas de perto nas rotas de café capixaba. Somam-se a isso resquícios da indústria cafeeira no início do século 20, além do Antiquário de São Miguel, em Mimoso do Sul, com grandes obras de arte.

Minas Gerais

mais minas

Maior produtor de café do Brasil. Oferece diversas rotas por todo o Estado, com visitas às plantações, atividades na natureza e muita história! As paradas para o cafezinho estão sempre acompanhadas de uma iguaria local: o autêntico pão de queijo mineiro.

No caso de um tour pela Rota Especial, que engloba as cidades de São Lourenço e Carmo de Minas, na Serra da Mantiqueira, a recomendação é que os passeios sejam feitos entre dezembro a fevereiro ou entre julho a agosto, quando acontece o crescimento das sementes.

Rio de Janeiro

barra do pira[i_portal vale do café

O Vale do Paraíba fluminense é o grande destaque do Estado quando o assunto é café. A região é conhecida como Vale do Café em um circuito com 15 municípios: Vassouras, Valença, Rio das Flores, Piraí, Engenheiro Paulo de Frontin, Paty do Alferes, Paracambi, Miguel Pereira, Mendes, Barra do Piraí, Pinheiral, Barra Mansa, Paraíba do Sul, Volta Redonda e Resende.

Vale lembrar, que em meados do século 19, 75% do café mundial era oriundo dessas terras.

São Paulo

sp city

Assim como Minas Gerais, o Estado paulista é, historicamente, um dos maiores produtores de café do país. Com cultivo em todo o Estado, a Rota do Café em São Paulo ganha destaque nos municípios de Jaú, Itatiba, Cajuru, Mococa e Santos, que abriga o Museu Nacional do Café.

 

 

Imagens: Sebrae, A Gazeta, Portal Vale do Café, Mais Minas, Sp City