default-logo

MUSEU DO HOLOCAUSTO CURITIBA

Se você acha que conhece bem a capital paranaense. Repense. Uma capital que se apresenta inovadora todo tempo. Sabia que Curitiba tem um dos mais importantes  e modernos museus do holocausto ? Primeiro no Brasil.

A capital do Paraná já é um “case” de sucesso faz tempo. Teve bons administradores que souberam aproveitar o que a cidade tinha de melhor e trabalharam bem.

Seu projeto urbanístico conta  com belos parques e muito verde,  ganhando com isto o título de  capital verde. 

Atrás do famoso museu do olho ( Oscar Niemeyer) fica o bosque do Papa. O lugar reproduz uma vila ucraniana/polonesa em homenagem as origens do Papa João Paulo II. 

A represa do Passauna possuí um mirante que também é pouco divulgado. 

Os parques Tingui e Tanguá são destaques. O Tanguá com a cascata artificial na pedreira desativada. O Tingui com as casas em homenagem a imigração ucraniana e polonesa e toda iluminada a noite.  Além claro do belíssimo jardim botânico.   

Mas não é só de belos parques, praças e ruas urbanizadas que destaca-se Curitiba.  Rica culturalmente a cidade oferece também galerias e diversos museus.  E um deles é o museu do holocausto, um dos mais representativos e importantes em todo mundo para a comunidade judaica. 

Ao iniciar o julgamento de Adolf Eichmann (preso em Jerusalém, em 1961), o procurador do Estado de Israel Guideon Hansner declarou: “Estou aqui hoje para falar em nome de seis milhões de judeus que não podem mais se manifestar”. A inauguração do primeiro Museu do Holocausto no Brasil representa uma sensação equivalente, ao ceder a palavra e contar histórias dos que pereceram e dos que sobreviveram ao genocídio.

Narrativas que não podem ser esquecidas e que devem ser transmitidas às próximas gerações. Foi com este objetivo que nasceu o Museu do Holocausto de Curitiba. Inaugurado oficialmente em novembro de 2011, recebe semanalmente cerca de 700 pessoas, entre adultos e alunos de escolas públicas e particulares, num espaço de 400 m². 

Com uma vocação educativa e linha pedagógica bem definida, o Museu mostra os acontecimentos da guerra através de histórias de vítimas que possuem ligação com Brasil ou Paraná. Trata-se de uma ferramenta contra a desumanização nazista. Também destaca a luta contra a intolerância, o ódio, a discriminação, o racismo e o bullying, tão relevante nos dias de hoje e fundamental para que o interesse pelas visitas fosse disseminado.  

Hoje, é o único espaço do país que conseguiu unir os eixos de educação, memória e pesquisa com uma proposta museológica para o trabalho sobre a Shoá. Regularmente, promove seminários e debates, assim como desenvolve materiais pedagógicos que buscam promover uma discussão abrangente sobre o preconceito e a violência ao longo dos séculos XX e XXI.  A mensagem do Museu ao público curitibano, paranaense e brasileiro é: que a humanidade aprenda a conviver melhor e a respeitar as diferenças de cor, fé, etnia ou posições políticas nas palavras de Carlos Reis, coordenador geral do museu do holocausto de Curitiba. 

Endereço: 

Rua Cel. Agostinho Macedo 248, Bom Retiro, Curitiba/PR 

AGENDAMENTO – Encontra-se suspenso durante a pandemia. As atividades do Museu só estão ocorrendo de forma remota por tempo indeterminado.

Atenção: toda visita ao Museu, guiada ou não, é gratuita e deve ser previamente agendada no site www.museudoholocausto.org.br

Dias e horários de funcionamento

Segunda, terça e quarta: 8h30 às 11h30 e 14h30 às 17h30

Quinta: 19h (apenas grupos escolares)

Sexta: 8h30 às 11h30 (todos) e 14h30 (apenas grupos escolares)

Domingo: 9h às 12h

Sábado: fechado

Um bom passeio dentro de uma história não tão distante, importante como informação  para as novas gerações   

Marco Aurélio Moura

Embaixador Turismo Paraná, Santa Catarina e RG Sul

Cel (11) 95949.7929

[email protected]

Sobre o autor

Deixe um comentário

*