A República Dominicana por uma brasileira

 

Oi pessoal! Meu nome é Taiane Mazzé, tenho 33 anos. Sou brasileira, natural de Salvador-BA. Mas a verdade é que eu tenho os dois pés no mundo! Não só porque busquei isso, mas também porque a vida me levou para esse caminho. Morei por 8 maravihosos anos no Rio de Janeiro, cidade que sou apaixonada. Morei 1 ano e meio no Panamá, país que eu aprendi a amar. E atualmente vivo há 1 ano, com meu esposo e nossa filha de 5 anos, na República Dominicana.

 

Escrever sempre foi uma das minhas maiores paixões. E o convite para escrever para o Birdymee me deixa completamente lisonjeada. Aqui irei compartilhar com vocês dicas de passeios, restaurantes, hotéis, e tudo que possa facilitar sua agenda de viagens para esse que é um dos destinos mais procurados de todo o Caribe. E claro, sempre com a minha visão de residente do país!

1

 

Sobre o lugar

 

A República Dominicana está localizada na ilha Hispaniola (ou Espanhola), que é parte do arquipélago das Grandes Antilhas na região do Caribe, e que divide-se entre República Dominicana e Haiti, única fronteira terrestre do país. Este é o segundo maior país do Caribe, ficando atrás apenas de Cuba.

Foi em sua capital, Santo Domingo, que Cristóvão Colombo desembarcou em 1492 e formou no local o primeiro assentamento europeu permanente na América. E atualmente, dos estimados 10 milhões de habitantes do país, cerca de 1 milhão vivem em Santo Domingo.

 

O idioma oficial da República Dominicana é o espanhol, e a moeda é o Peso Dominicano (DOP).

 

Suas belíssimas praias e imensos campos de golfe estão entre as principais atrações da ilha. Tenho certeza que se você ainda não conhece, ao menos já ouviu falar de Punta Cana e seu mar azul turqueza!

 

 

Quando ir

 

O sol e o calor estão presentes praticamente o ano inteiro. A temperatura do mar é sempre convidativa para um mergulho e sua média anual de 26ºC faz com que o turismo seja um dos principais segmentos da economia do país.

Apesar do clima de verão, é preciso estar atento à temporada de furacões. A temporada de alerta acontece no período entre 1 de junho a 30 de novembro, sendo mais incidente nos meses de agosto à outubro. Nesse período chuvas intensas podem atingir o país.

Mas, apesar desse dado, o último furacão forte que atingiu a República
Dominicana foi o furacão Georges, em 1998. Mais recentes, em 2017, os furacões Irma e Maria também passaram pelo país, mas não causaram nem de longe, o impacto do Georges.

 

Como chegar

A forma mais fácil de vir do Brasil para a Republica Dominicana, é fazendo conexão no Aeroporto de Tocumen, no Panamá. De lá, saem diariamente voos para o Aeroporto Internacional Las Americas, em Santo Domingo.

Além deste, existem ainda mais oito aeroportos internacionais em outras províncias, como Punta Cana, La Romana e Samaná, alguns dos destinos mais turísticos do país.

Para a entrada de brasileiros não é exigido visto, apenas passaporte com validade de pelo menos seis meses e o Certificado Internacional de vacina contra a febre amarela, emitido pela Anvisa.

Até abril de 2018 era cobrada uma taxa no valor de U$D 10.00, chamada de “tarjeta turismo”. Essa taxa servia para dar ao visitante o direito de permanecer no país por até 30 dias. Porém, desde então, a mesma foi agregada ao valor da passagem, não sendo mais necessário seu pagamento na imigração. O visitante que excede esses 30 dias de permanência, deve fazer o pagamento adicional de uma multa às autoridades migratórias na saída do país.

Em breve eu volto com muitas outras dicas dessa ilha encantadora!

 

Até a próxima!


Taiane Mazzé

Taiane Mazzé
Correspondente de Turismo

+1 (829) 619-6722
taianemazze@gmail.com

 

Translate »