O novo Turismo de Proximidade na era pós-covid

É de conhecimento público que o turismo é o setor mais atingido pela pandemia do novo coronavírus, com prejuízos que ultrapassam a casa dos milhões. Confinamento social, cuidados sanitários, preservação do meio ambiente são alguns dos fatores que, de repente, passaram a pautar, com ênfase, a vida das pessoas. No meio de todo este reajuste da sociedade na era pós-coronavírus, algumas previsões já são apontadas por especialistas como tendências, no entanto, uma delas se destaca de modo peculiar: o Turismo de Proximidade.

Parque da Cidade Roberto Burle Marx em São José dos Campos-SP, minha terra natal

Parque da Cidade Roberto Burle Marx em São José dos Campos-SP, minha terra natal

O termo, nada mais é do que visitar lugares próximos de onde se vive (prepare-se para acrescentar a expressão ao seu vocabulário pós-covid-19!). Apesar da terminologia existir há alguns anos, assim como o próprio coronavírus, parece que agora, ela ganhou o impulso necessário para se destacar nos roteiros e destinos. Fato é que muitos profissionais já comparam o novo cenário a “uma volta ao turismo do passado”, quando nossos pais e avós, entre as décadas de 1950-1980, não programavam férias para destinos distantes, já que organizar uma viagem, naqueles tempos, não era algo fácil – viveremos o “novo Turismo de Proximidade”?

Certamente, o Turismo de Proximidade não chegará a receber o apelido de “Turismo de Proximidade-20”, em alusão ao vírus revigorado no ano passado, todavia, o foco na regionalização, nas tradições, nas raízes de uma comunidade, sem dúvidas, será retomado. Retornar ao lugar onde se costumava passar férias na infância, saborear o prato típico de sua terra natal, participar de festas populares são experiências relacionadas à memória afetiva que todos nós carregamos: é a construção daquilo que somos.

Corumbá de Goiás, a 114 km de Goiânia, onde morei

Corumbá de Goiás, a 114 km de Goiânia, onde morei

Dizem que para olhar para si mesmo é preciso sair de si. E todos saímos: quantos de nós conhecem outros países, mas nunca viajaram pelo Brasil? Com a expansão do turismo doméstico em todo o mundo após o fim da atual crise biossanitária, a redescoberta de valores antes esquecidos e a surpresa da descoberta por lugares próximos nunca valorizados causará não somente impactos econômicos na localidade (o chamado “Locavorismo”, tema do próximo artigo), como irá além: os efeitos de bem-estar social também deverão aumentar no sentido de promover uma situação mais humanitária.

De olho nesse futuro que se aproxima, o projeto Vistas Deslumbrantes, desenvolvido pelo Birdymee em parceria com a plataforma Não Pira, Desopila (nãopiradesopila.com), discutirá, em séries de cinco episódios, a importância do Turismo de Proximidade para a retomada do setor turístico no Brasil.

Museu de Arte de São Paulo (MASP) visto do Mirante 9 de Julho em São Paulo, cidade que me acolheu tão bem

Museu de Arte de São Paulo (MASP) visto do Mirante 9 de Julho em São Paulo, cidade que me acolheu tão bem

A série, que irá ao ar quando a quarentena não for mais essencial para garantir a segurança da saúde pública, é coordenada pela renomada executiva de turismo de hospitalidade Márcia Brown e será narrada com a leveza, o carisma e a experiência da Embaixadora Gardênia Rogatto (a “Gardens”).

O projeto visa inspirar o público a saudar, através do olhar, as tantas Vistas Deslumbrantes de nossa terra que passaram despercebidas até então. Como diz Gardens, “não basta olhar de dentro para fora, é preciso também olhar de fora para dentro”.

 

BrunaGalvao_picBruna Galvão

Diretora de Comunicação do Birdymee é jornalista especializada em Jornalismo Internacional

bruna@birdymee.com.br

  1. Eleni Martins. Reply

    Um ótimo texto para se refletir e depois da pandemia,há tantos lugares interessantes para se conhecer.

Deixe um comentário

*

Translate »